Encontro

Acho essa música uma delícia! E no show parece ainda mais emocionante :)
“Sai de si
Vem curar teu mal
Te transbordo em som
Põe juizo em mim
Teu olhar me tirou daqui
Ampliou meu ser
Quero um pouco mais
Não tudo
Pra gente não perder a graça no escuro
No fundo
Pode ser até pouquinho
Sendo só pra mim sim

Olhe só
Como a noite cresce em glória
E a distância traz
Nosso amanhecer
Deixa estar que o que for pra ser vigora
Eu sou tão feliz
Vamos dividir

Os sonhos
Que podem transformar o rumo da história
Vem logo
Que o tempo voa como eu
Quando penso em você”

Anúncios

Vídeo

Nota mental com trocadilho interessante/cômico.

“De comédia romântica à enredo do leste europeu”

Nota mental na ordem que você quiser.

“Tenha amigos.
Tenha animais de estimação.

Não tenha amigos.
Não tenha animais de estimação.”

Ana.

Nem só de doce vive um blog.

É galera… Chegamos na primeira parte chata, porém reflexiva desse blog.

(Já vou avisando: Esse povo que não usa blog direito, quando empolga faz 10 posts em um só. Vá com a barra de rolagem até o final dele. Se animar… publiquei, pode ler! E você irá perceber como eu, que essa ladainha toda pode ser resumida em poucas palavras, mas hoje to querendo discorrer sobre).

Reflexivo no sentido de pensar a respeito, claro, ou no sentido de algum mortal se ver no que eu estou escrevendo e ajudá-lo em alguma coisa. Porque blog pode servir pra isso não é? Ou pra nada disso também.

E refletir não é chato, só calhou de encontrar com a minha parte chata. Ha.

Bom, o motivo disso tudo que já escrevi e que ainda virá é que eu voltei a passar mal. Mesmo. Calma! Não se assuste, são só meus enjoos chatos e uns “piriris” repentinos que levam à enjoos chatos que levam a um gigante desânimo, a uma certa desregulagem do mecanismo que chego a pensar numa tpm sem início nem fim e por aí vai (Não falo que eu cago até dizer chega porque menina não caga… blé pra vocês! heheh).  (-5 amigos depois dessa. Hahaha)

Só meu refluxo que certa vez resolveu se encontrar com meu cérebro e agora não querem se soltar. Eu sou um exemplo vivo do Erro de Descartes! Aí como cérebro é pedra (literalmente, sou cabeça dura!) e sistema digestório é papel, brain wins!!!
Nisso eu esbarro em um de meus paradoxos: Como que uma cabeça tão dura pode ser tão mole, tão maleável? A ponto de viajar longe, longe coitadinha… Se encantar por umas bobeiras… Por que só pode ser bobeira não? A explicação dessa definição virá no decorrer do texto.

Como eu gosto de me explicar pros outros e acho que isso é uma coisa que tenho que parar de fazer ou perceber quando é realmente necessário, ainda acho importante explicar pra vocês que, como já comecei nesse post e pretendo continuar, estou nessa de menosprezar meus sentimentos e minhas emoções porque agora essas porcarias (não disse?) me fazem mal, caramba!! Não é nessa de “ah, que dó… ela não acredita mais no amor, ele existe minha querida S2”. Amor foi um exemplo, calma de novo!!!

E me deu vontade de falar sobre isso agora.

E eu amo digitar no notebook. (Sério, eu amo.)

E eu estou a fim de formular texto. (De blog.)

E eu também me sinto mal por reclamar da vida. (Ainda na parte da satisfação.) Acho meio ingrato da minha parte fazer isso. Tem gente aí passando por coisas muito piores e eu aqui falando que passo mal por conta do meu emocional que não aprendi a controlar ainda. Mas penso também (uma boa parte reflexiva essa) que todos temos nossos problemas e certas coisas angustiam mais uns do que outros porque somos diferentes! E por cada um ter a sua Própria vida, os problemas se diferem consequentemente. E com isso, se temos um espaço pra compartilhar o que nos aflige, por que não? Porque também podemos pensar o contrário: Pra que comemorar uma coisa “boba” se tem “coisa melhor” acontecendo por aí?? (Fui muito equivocada nessa??) Eu, vocês, ficamos tristes e felizes cada um com suas coisas ou com elas juntas. Tô com medo dessa parte não ficar muito clara, mas espero que entendam. Eu sei que tem situações muito piores que a minha, que isso não é nada, mas agora estou mal com isso. ponto.

É aquela velha história: não quer que ninguém saiba, critique, retruque? Não conte, não escreva, guarde pra você. Posso me arrepender se eu publicar isso porque muita gente acha que é bobeira ou falta de serviço e eu ainda ligo pro que os outros pensam. Tô tentando mudar, mas é difícil ainda, eu disse.

Explicações dadas? Explicações dadas.

O que me deixa com mais raiva são as oportunidades que perco. Quem me conhece, sabe que sou boca boa, que dou importância a um momento especial com uma comidinha especial. Ou quem só me conhece passando mal ainda, dentro de mim existe uma boca boa. E também sabe que tenho como qualidade/defeito ser um pouco “cinematográfica”. Por isso fico chateada de não poder ir a um café pra tomar Café. Acho que esse exemplo sintetiza. (Mas Ana, minha querida, você pode ir a um café tomar um suco! Não, não é a mesma coisa e ontem morango me fez mal.) Não quero dizer que não ligo pras pessoas e sim pras comidinhas, mas ah… pessoas legais merecem um café (bebida/lugar) charmoso!

Fico com raiva de mim (porque raiva do cérebro + raiva do sistema digestivo = quase meu corpo todo) porque tem dias que eu tenho que me sentir bem e não, dá tudo errado. Não aproveito da maneira como deveria. Mas quem mandou ficar triste, com raiva, sonhar demais e dar de cara no muro e depois passar mal, não aguentar comer aquele almoço, aquele lanche, aquela guloseima ou aquele jantar especial? Eu, eu mesmo. É aí que desanda tudo. Ninguém “fez” nada. Só eu fiz. Eu me deixei, não sei porque cargas d’água, estar nessa situação. (Pode falar que você lembrou da frase do Pequeno Príncipe!! haha Mas não vou colocar). Nessa época de piora, é um saco ter que ser comedida ali porque mais tarde não posso passar mal. Falando assim, parece que quero comer o mundo em todas as refeições e passar bem, mas vocês são inteligentes e entendem o que eu digo.

Quantas e quantas vezes eu saí com os amigos me sentindo mal. Mas não arrego e nem falo pra não oficializar o mal estar.! Ahá! Mas penso: por que eu deixei me levar por certas emoções sabendo que elas iam me fazer mal e claro, coincidiu no dia de sair?? Por quê?? É a pergunta! Mas não me deixo abater, às vezes, quando o evento vale muito a pena. hehehe

Eu acredito que temos que sonhar, que temos que nos imaginar no lugar em que queremos estar, até mesmo com a(s) pessoa(s) que queremos estar (conhecidas ou não), que temos que amar, suspirar pelo que nos encanta. por quem faz o que a gente realmente gosta e às vezes isso repousa sobre nós de uma forma que não escolhemos e aí ferra com tudo, mas ainda assim ligamos pros nossos amigos pra contar ou sorrimos escondido no travesseiro e aí que ferra mais ainda … Mas… Wtf?? Esse post é pra dizer que isso é balela. Pra que se permitir hoje e quebrar a cabeça amanhã? Calma de novo!! Qualquer dia vem um post pra dizer que o mundo é lindo, que devemos sonhar sim! Fuga ao tema é zero e eu sou contraditória.

Eu já tive dor de barriga de emoção boa, de voltar correndo pra casa, de ter história pra contar e rir de tudo isso no final. Por isso teremos posts felizes.

Pra você que ainda não se encaixou e nenhum “Calma!!”… Calma pra você também!! Eu venho me tratando há uns dois anos (inclusive a tpm!) (+5 amigos), tive um período muito significativo e lindo de melhora que eu vou guardar pra sempre, mas agora você já percebeu que a maré é outra. Um dia, eu vou ter um período gigantesco de melhora ou o meu cérebro vai conversar com outra parte ou com ele mesmo e eu saberei enfrentar tranquilamente (é assim com todo mundo, tá? Nosso corpo conversa!) e com certeza vou sentir essa melhora, mas esse primeiro período não vai ter como esquecer.

Fica a dica: escreva. depois rasgue, queime ou delete. Mas escreva! Ou trabalhe, saia com alguém, caminhe, converse assuntos aleatórios, ouça, treine músicas no karaoke do youtube, arranje uma criança pra tomar conta ou alguma outra tarefa que te distraia disso tudo. Eu comecei com a cabeça cheia (ah tadinha, mal sabe ela o que é cabeça cheia, não faz nada da vida, nem a monografia ela faz direito. Tá eu sei, mas agora é isso. Já disse isso não já?) Se a sua cabeça tá cheia, já dei uma dica no início do parágrafo.

Se eu dei a dica por que não melhorei ainda?

Bom, teria mais coisa pra escrever mas deixa pra uma outra onda de inspiração/coragem/vontade. “Remédinhos” fazendo efeito. E posso pedir Calma só mais uma vez? É só um post chato/reflexivo.

Retomada #1

Putz!
Quanta coisa, quanta coisa boa aconteceu nesse tempo que estive fora (do blog, apenas.)!!
Coisas que me fazem querer ser uma pessoa mais organizada e ter um registro concreto desses momentos, porque eu tenho esse lado… Só que ele não aparece! Aí sou desorganizada mesmo, tem coisa em caixinha, tem coisa na carteira, tem coisa no meu painel, tem coisa que já foi pro lixo…
Não vou romancear nada do que aconteceu porque acho que isso gera um compromisso que não é o lema desse blog e vai atrasar ainda mais a retomada (que nem sei se vai vingar).
Pois bem, tenho (re)lido, (re)escutado ou seja, fazendo e achando umas coisas interessantes que merecem blog. Quem sabe uns devaneios não entram nessa também? Nada de promessas!
O que interessa dessa vez e numas próximas, quem sabe, são pessoas que escrevem o que eu estava querendo dizer, mas poxa, elas chegaram primeiro! Ou elas são dotadas pra isso e eu apenas para ler, ver, ouvir, cantar, suspirar, refletir, criticar….
Essa semana comecei a caminhar com a minha prima, Elisa. Isso mesmo! Pode rir você também, todo mundo já fez isso, mas a gente está indo direitinho. E hoje, no “random” veio essa pra mim, lindamente, me fazendo retomar com o blog. Sempre gostei, claro, mas tem dia que certas coisas se encaixam sem pedir licença…

Às vezes eu só quero descansar
Desacreditar no espelho
Ver o sol se pôr vermelho
Acho graça

Que isso sempre foi assim
Mas você me chama pro mundo
E me faz sair do fundo de onde eu tô
De novo.

Nada sei dessa tarde
Se você não vem
Sigo o sol na cidade
Pra te procurar

Eu bem sei onde tudo vai parar
Já não tenho medo do mundo
Sou filho da eternidade
Trago nesses pés o vento

Pra te carregar daqui
Mas você sorri desse jeito
E eu que já perdi a hora e o lugar
Aceito.

Nada sei nessa tarde
Se você não vem
Sigo o sol na cidade
A te procurar

Nada de meu nesse lugar
A cidade vai pensar
Que nada aconteceu em vão
Você vai me ligar então mais uma vez

http://www.vagalume.com.br/marcelo-camelo/vermelho.html#ixzz22SOFs1Ho

Oui!

Amo achar uns vídeos simpáticos, bem feitos, que me fazem querer guardá-los pra mim.

Tem comerciais de vários lugares, mas eu escolho Paris!

http://vimeo.com/18886355

Bjos e ótima semana pra gente!

“Se faltar carinho…

Ninho.”

Aproveitando a (boa) espera por uma (agradável) noite com amigos no show do Camelo amanhã, resolvi postar algo que logo me veio a cabeça quando escutei a música “Três dias” do novo cd. A história que há tempos tenho com ninhos, mais o que eu Achei no ideias de fim de semana há tempos atrás também, mais o trecho dessa música, todos juntos, formam esse post!

Esses “ninhos” foram elaborados pelos designers franceses Daniel Pouzet e Fred Frety e se encontram no catálogo da Dedon.

EU QUERO UUUUMMM!!!!

Queria agora, mas como não tenho nem uma casa nem uma árvore no momento, pode ser futuramente! E quem adquirir um primeiro que eu me convida pra experimentar??

Acho que entro no modo “hibernar” dentro de um ninho desse…hahaha

Imagina só ficar tomando um solzinho de inverno, lendo, escrevendo ou escutando uma música…Ou se tiver vários, bater um papo com os amigos cada um com sua guloseima ou lançando de um ninho pro outro (já está virando lenha… hehe). Dá pra imaginar mil situações com esses ninhos, né? Que delícia!!

Ôh design maravilha, hein!! heheh

Ah!

“Se faltar a paz, Minas Gerais.”

Bjos pra vcs, tava com saudade de postar!

Entradas Mais Antigas Anteriores