Encontro

Acho essa música uma delícia! E no show parece ainda mais emocionante :)
“Sai de si
Vem curar teu mal
Te transbordo em som
Põe juizo em mim
Teu olhar me tirou daqui
Ampliou meu ser
Quero um pouco mais
Não tudo
Pra gente não perder a graça no escuro
No fundo
Pode ser até pouquinho
Sendo só pra mim sim

Olhe só
Como a noite cresce em glória
E a distância traz
Nosso amanhecer
Deixa estar que o que for pra ser vigora
Eu sou tão feliz
Vamos dividir

Os sonhos
Que podem transformar o rumo da história
Vem logo
Que o tempo voa como eu
Quando penso em você”

Vídeo

Retomada #1

Putz!
Quanta coisa, quanta coisa boa aconteceu nesse tempo que estive fora (do blog, apenas.)!!
Coisas que me fazem querer ser uma pessoa mais organizada e ter um registro concreto desses momentos, porque eu tenho esse lado… Só que ele não aparece! Aí sou desorganizada mesmo, tem coisa em caixinha, tem coisa na carteira, tem coisa no meu painel, tem coisa que já foi pro lixo…
Não vou romancear nada do que aconteceu porque acho que isso gera um compromisso que não é o lema desse blog e vai atrasar ainda mais a retomada (que nem sei se vai vingar).
Pois bem, tenho (re)lido, (re)escutado ou seja, fazendo e achando umas coisas interessantes que merecem blog. Quem sabe uns devaneios não entram nessa também? Nada de promessas!
O que interessa dessa vez e numas próximas, quem sabe, são pessoas que escrevem o que eu estava querendo dizer, mas poxa, elas chegaram primeiro! Ou elas são dotadas pra isso e eu apenas para ler, ver, ouvir, cantar, suspirar, refletir, criticar….
Essa semana comecei a caminhar com a minha prima, Elisa. Isso mesmo! Pode rir você também, todo mundo já fez isso, mas a gente está indo direitinho. E hoje, no “random” veio essa pra mim, lindamente, me fazendo retomar com o blog. Sempre gostei, claro, mas tem dia que certas coisas se encaixam sem pedir licença…

Às vezes eu só quero descansar
Desacreditar no espelho
Ver o sol se pôr vermelho
Acho graça

Que isso sempre foi assim
Mas você me chama pro mundo
E me faz sair do fundo de onde eu tô
De novo.

Nada sei dessa tarde
Se você não vem
Sigo o sol na cidade
Pra te procurar

Eu bem sei onde tudo vai parar
Já não tenho medo do mundo
Sou filho da eternidade
Trago nesses pés o vento

Pra te carregar daqui
Mas você sorri desse jeito
E eu que já perdi a hora e o lugar
Aceito.

Nada sei nessa tarde
Se você não vem
Sigo o sol na cidade
A te procurar

Nada de meu nesse lugar
A cidade vai pensar
Que nada aconteceu em vão
Você vai me ligar então mais uma vez

http://www.vagalume.com.br/marcelo-camelo/vermelho.html#ixzz22SOFs1Ho

“Se faltar carinho…

Ninho.”

Aproveitando a (boa) espera por uma (agradável) noite com amigos no show do Camelo amanhã, resolvi postar algo que logo me veio a cabeça quando escutei a música “Três dias” do novo cd. A história que há tempos tenho com ninhos, mais o que eu Achei no ideias de fim de semana há tempos atrás também, mais o trecho dessa música, todos juntos, formam esse post!

Esses “ninhos” foram elaborados pelos designers franceses Daniel Pouzet e Fred Frety e se encontram no catálogo da Dedon.

EU QUERO UUUUMMM!!!!

Queria agora, mas como não tenho nem uma casa nem uma árvore no momento, pode ser futuramente! E quem adquirir um primeiro que eu me convida pra experimentar??

Acho que entro no modo “hibernar” dentro de um ninho desse…hahaha

Imagina só ficar tomando um solzinho de inverno, lendo, escrevendo ou escutando uma música…Ou se tiver vários, bater um papo com os amigos cada um com sua guloseima ou lançando de um ninho pro outro (já está virando lenha… hehe). Dá pra imaginar mil situações com esses ninhos, né? Que delícia!!

Ôh design maravilha, hein!! heheh

Ah!

“Se faltar a paz, Minas Gerais.”

Bjos pra vcs, tava com saudade de postar!

Dia da saudade, que foi dia 30.

Esse post era pra ter sido feito dia 30/01, mas como não teve como, o deixei guardadinho aqui pra quando desse tempo. Dia 30 foi dia da saudade. Aí pra esse dia, “chega de saudade”! Mas antes, como eu cheguei até ela pra postar aqui.

Um dia ótimo com minhas primas Elisa e Letícia, e com meus pais. Passeamos, tomamos o “yogo” lá do alameda, andamos a toa na americanas e rimos de muitas, muitas coisas. Viemos pra casa… noite de panquecas!! Estavam muito, muito boas!! A massa que a minha mãe faz é de uma textura maravilhosa! Depois retornamos pros computadores para Elisa e eu cantarolarmos e Letícia desenhar!

Aí uma das músicas que nós cantamos com muito primor (hauahauha) foi “chega de saudade”. Que eu mais admirei a letra do que cantei porque ela é difícil pacas!

Terei saudade desse dia, mas não de dias como esse, pois espero que eles se repitam pra sempre!

Pra completar fiquei empanzinada porque meu organismo não suporta mais uma grande quantidade de comida de uma vez só, mas passar mal… não mesmo! Fiquei super feliz!

Juro que queria postar fotos, mas não fotografamos nada esse dia! E eu ainda falei: podia ter tirado umas fotos pro blog. Mas como eu ainda não me acostumei com essa idéia e foi tudo acontecendo sem muitos planos, espero que vocês (que tiveram a paciência de ler tudo, tudo mesmo) tenham sentido um pouco da alegria desse dia!

Chega de saudade – Tom e Vinícius

“Vai minha tristeza
E diz a ela que sem ela não pode ser
Diz-lhe numa prece
Que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade
A realidade é que sem ela
Não há paz não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim
Não sai de mim
Não sai

Mas, se ela voltar
Se ela voltar que coisa linda!
Que coisa louca!
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos
Que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços, os abraços
Hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim,
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio
De você viver sem mim
Não quero mais esse negócio
De você longe de mim
Vamos deixar esse negócio
De você viver sem mim.”